sexta-feira, 30 de maio de 2008

História do Brasil...modernismos brasileiros - literatura, soneto 12

História do Brasil
Modernismos brasileiros - literatura
Objetivos
1) Ampliar o conceito de Modernismo comumente apresentado pelo livro didático.
2) Relativizar a ruptura estética promovida pelos modernistas da Semana de 1922 a partir de textos considerados "não modernistas", escritos a partir do fim do século 19.
3) Caracterizar as limitações do mercado cultural brasileiro dos anos 20 e 30 e a posição do escritor nesse período da história brasileira.
4) Tomar contato com outra estética literária, produzida por autores "desconhecidos".
Ponto de partida
1) Ler o item A Semana de Arte Moderna, no texto 1919-1922 - Governo Epitácio Pessoa no site Educação;
2) Ler o soneto 12 do poema "Via Láctea" de Olavo Bilac (1903), e a versão parodiada de Aparício Torelly (1926) e um poema de Mário de Andrade a escolher. Sugerimos Anhangabaú.
3) Ler a frase "No Brasil, tenho pena de quem vive da pena".
Justificativa
A Semana de 22 é considerada como marco inicial do Modernismo brasileiro. No entanto, os especialistas vêm relativizando os marcos cronológicos há algum tempo, insistindo na idéia de que havia elementos modernistas em outros autores que escreveram belos romances, poemas ou contos no início do século, como Euclides da Cunha ou Lima Barreto.
Houve também autores considerados impertinentes pela crítica da época, normalmente esquecidos pela crítica literária, pois através de seus escritos revelavam muitos ressentimentos e fissuras da sociedade brasileira do início do século, ainda marcada pela escravidão, pelo analfabetismo e pela pobreza generalizada.
Estratégias
1) Resgatar com os alunos o papel da oligarquia paulista durante a 1ª. República e a fratura política inaugurada pela derrota na Campanha Civilista de 1910.
2) Ler o poema de Olavo Bilac, ressaltando o esquema das rimas e da métrica e a temática, ainda ligadas à estética literária de fins do século 19.
3) Ler o poema de Mário de Andrade, ressaltando a ausência das rimas e a alteração da métrica. Ressaltar a ruptura estética do poema. Enfatizar a temática da cidade de São Paulo e aproximá-la da busca pela hegemonia cultural paulista promovida pela Semana de 22.
4) Lembrar aos alunos que naquela época, 80% da população brasileira era analfabeta e que o exemplar de "Macunaíma", escrito por Mário de Andrade, não vendeu mais do que 600 exemplares até os anos 40, relativizando, assim, o impacto da Semana de 22.
5) Ler a frase do item 3 e caracterizar a precariedade dos circuitos de leitura no Brasil do início do século.
6) Ler a paródia de Aparício Torelly e ressaltar a crítica inerente a ela. Ressaltar as funções da forma parodiada e a necessidade de aliar forma e função para compreender as manifestações artísticas de maneira mais ampla.


Soneto 12 do poema "Via-Láctea" (1903)
Olavo Bilac

"Ora (direis) ouvir estrelas! CertoPerdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,Que, para ouvi-las, muita vez despertoE abro as janelas, pálido de espanto...
E conversamos toda a noite, enquantoA Via-Láctea, como um pálio aberto,Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,Inda as procuro pelo céu deserto.
Direis agora: "Tresloucado amigo!Que conversas com elas? Que sentidoTem o que dizem, quando estão contigo?"
E eu vos direi: "Amai para entendê-las!Pois só quem ama pode ter ouvidoCapaz de ouvir e de entender estrelas."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário